āsana e seus Fundamentos

por Diego Cerqueira Rodrigues

 

A palavra āsana deriva da raiz sânscrita as que significa “assento” ou “sentar”. O termo āsana aparece em diversos textos fundamentais como a Bhagavad Gītā, algumas Upaniṣads, o Yoga Sūtra de Patañjali, os textos clássicos do Haṭha Yoga, etc. De acordo com o contexto, a palavra āsana pode se referir a uma postura meditativa, a um assento específico para sentar-se em meditação, ou ainda, a ideia do corpo como o assento para o verdadeiro Eu. Neste texto, utilizaremos o significado mais evidenciado no contexto do Haṭha Yoga, o de posturas psicofísicas.      

É evidente que āsana se tornou, atualmente, o aspecto mais conhecido e explorado do Yoga. E como não poderia deixar de ser, neste nosso mundo repleto de dualidades, esta proeminência dos āsanas no contexto do Yoga apresenta pontos positivos e negativos. Por exemplo, se utilizamos como parâmetro o Haṭha Yoga, é muito natural e coerente que os āsanas ocupem um papel central, afinal, trata-se de uma importante tradição de origem tântrica, na qual o corpo é visto e experienciado como um precioso instrumento de transcendência.

Muitos textos clássicos do Haṭha Yoga consideram os āsanas como o primeiro estágio no caminho do praticante. O problema acontece quando os praticantes estacionam nesta primeira etapa criando a ideia de que a prática de āsana tem um fim em si mesma. Aliás, eu prefiro enxergar o āsana muito mais como um processo do que um produto final.  

 

É inegável que a prática adequada de āsanas pode gerar os mais diversos benefícios, o que é algo maravilhoso! Entretanto, realizar as posturas psicofísicas do Haṭha Yoga com a mentalidade utilitária de ganhar benefícios é, de certa forma, subaproveitar o enorme potencial transformador que estas técnicas apresentam. Além disso, é comum encontrarmos hoje em dia “práticas de āsanas” que se distanciaram de tal forma de seu real propósito, que estão mais para exibicionismo egóico, ou competição de auto rendimento.

Para quem conhece minimamente os verdadeiros atributos de um āsana, sabe que associá-lo a exibicionismo, competitividade e produtividade é algo totalmente desalinhado ao propósito destas importantes técnicas.

 

Bom, mas quais seriam então os atributos principais e o propósito dos āsanas?

Para responder estes questionamentos irei recorrer a alguns dos principais textos da tradição do Yoga. Começando pela Bhagavad Gītā:

Assim sentado, domina a sua mente e dirige o pensamento a um ponto de concentração, retendo, ao mesmo tempo, as impressões do sentidos e não deixando entrar na mente pensamentos que vagueiam. Nessa posição, conservando calma e persistência, purifica a sua alma, dirigindo a consciência ao Eu Real, ao Absoluto, que é a base de todos os seres. (Bhagavad-Gita – VI:12)

           

            Ainda neste sentido, apresento agora um trecho de uma outra importante obra, a Shvetashvatara Upanishad – texto de aproximadamente IV a.C:

Mantendo o corpo firme, com as três partes eretas [tronco, pescoço e cabeça], o sábio dirige os sentidos e a mente ao interior do coração. Brahman é o barco, com o qual o sábio atravessa o rio do medo. (Shvetashvatara Upanishad – II:8)

 

Perceba que nas duas citações acima āsana é descrito como uma postura meditativa, na qual existe uma condição de estabilidade no corpo e uma forma peculiar de direcionamento da mente para uma conexão com o Absoluto.

 

Um outro texto fundamental para os que desejam entrar em contato com a essência dos āsanas é o Yoga Sūtra. Dos 196 sutras desta obra, o sábio Patañjali destina apenas 3 para tratar de āsana.  Uma característica importante deste tipo de literatura é a forma sintética e essencial utilizada na exposição do conhecimento, como pode ser visto abaixo:

 

 

sthira-sukham āsanam |2.46|

A postura deve ser estável e confortável.

prayatna-śaithilyānanta-samapattibhyām |2.47|

Pelo relaxamento do esforço e meditação no infinito a postura é dominada

tato dvandvānabhighātah |2.48|

Então não há ataque dos pares de opostos.

 

Perceba que mesmo sem descrever nenhuma técnica específica, Patañjali apresenta de forma primorosa o conceito essencial e atributos de um āsana. Resumidamente, é dito que āsana é uma postura estável e confortável, na qual o praticante encontra um equilíbrio entre esforço e relaxamento e demonstra uma boa qualidade de presença. Ou seja, são basicamente qualidades intrínsecas, por exemplo: por mais que um praticante atinja uma postura fisicamente complexa e esteticamente bela, se não houver qualidades internas como atenção plena, tal técnica não poderá ser considerada um āsana.

 

Mas de onde vieram esta grande gama de posturas praticadas hoje em dia se, inicialmente, a postura mais enfatizada era a postura meditativa (geralmente sentada)?

 

Existem pensadores que defendem que muitas das posturas que conhecemos hoje, já eram praticadas antes mesmo da elaboração dos Yoga Sutras, pois tais técnicas ficavam restritas às práticas isoladas e acéticas numa contínua transmissão entre mestres e discípulos. Outra linha de pensamento afirma que uma parte razoável de posturas que são realizadas em “práticas contemporâneas de Yoga” são fruto da influência da ginástica circense e militar.  

Entretanto, a documentação e o desenvolvimento técnico dos asanas aconteceu principalmente através da tradição do Haṭha Yoga que floresceu na Índia aproximadamente a partir do século X de nossa era. Abaixo dois pequenos trechos sobre āsana de dois tratados clássicos de Haṭha Yoga:

 

Hatha Yoga Pradipika

“Sendo asana o primeiro componente do Hatha Yoga, serão apresentados em primeiro lugar. Os asanas nos proporcionam quietude (física e mental), liberam-nos das enfermidades e dão flexibilidade aos nossos membros.”(Cap.1 – 17)

 

Gheranda Samhita

“O corpo é como uma vasilha de barro crua, se submergida na água, desintegra-se. Por isso, deve ser exposto ao fogo do Yoga para fortalecer-se e purificar-se.” (Cap.1 – 8)

“Há tantos asanas como espécies animais. Há 84 milhões descritos por Shiva.” (Cap.2 – 1)

“Oitenta e quatro são considerados importantes entre eles e trinta e dois são muito bons neste mundo de seres mortais.” (Cap.2 – 2)

 

Como foi dito anteriormente, o Haṭha Yoga é uma tradição proveniente do tantra, que enxerga o corpo como um templo merecedor de reverência e cuidados. Desta forma, nada mais coerente do que desenvolver técnicas geradoras de equilíbrio psicofísico que promovam vitalidade e longevidade saudável. Neste sentido, os āsanas sob a perspectiva da tradição do Haṭha Yoga têm a importante incumbência de, além de trazer estabilidade postural e harmonia física, equilibrar o fluxo energético e aquietar a mente, tornando-a apta às práticas mais sutis como a meditação.

 

*

 

Este texto faz parte do material sobre āsana da Capacitação e Aprofundamento em Yoga do CEPY, o texto completo com o detalhamento técnico das posturas está restrito aos participantes do Curso.
Caso tenha interesse em realizar nossas Formações, entre em contato conosco: contatocepy@gmail.com

Coordenação: Prof. Diego Cerqueira Rodrigues  

© 2013 by CEPY - Centro de Estudos e Práticas em Yoga - Site desenvolvido por Diego Cerqueira Rodrigues