Parvatāsana - पर्वतासन

(parvata = montanha ; asana = postura)

por Diego Cerqueira Rodrigues

 

Com uma base firme em conexão com a terra e o topo sutil em conexão com o céu, meu corpo se torna ele próprio a montanha. 

 

Parvatāsana não é uma postura que aparece nos principais tratados clássicos de Hatha Yoga, porém, existem registros muito antigos de sua existência, como no templo de Ranganatha no estado de Tamil Nadu, onde a postura é representada em esculturas gravadas nas paredes. A construção deste Templo remete ao séc IV d.C. o que nos leva a crer que parvatāsana já era uma postura praticada muito antes disso.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Parvatāsana nas paredes do templo de Ranganatha

 

A natureza era parte integrante da realidade dos antigos yogis que se dedicaram a sistematizar o Hatha Yoga, não por acaso, diversas técnicas psicofísicas desta tradição fazem referências a cenários como montanhas e florestas.

A montanha, em especial, apresenta um significado muito particular e sagrado no contexto do Yoga, pois sempre foi um destino muito utilizado para peregrinações e prática ascéticas. Na mitologia Hindu o monte Meru é considerado o eixo central do universo, enquanto que o Monte Kailash é respeitado como a residência de Shiva (patrono do Yoga), além de ser o local onde nascem diversos rios importantes, inclusive o Rio Ganges.

Assim, quando realizamos uma postura com um simbolismo tão especial como parvatāsana, o fazemos com reverência, buscando internalizar arquétipo da montanha, de forma que tais atributos reverberem em nosso corpo.

Vamos analisar a postura a partir de 3 perspectivas:

  1. Aspectos físicos / técnicos

  2. Aspectos sutis

  3. Efeitos (benefícios e contraindicações)

 

1. Aspectos Físicos / Técnicos

a) Em uma superfície regular posicione o quadril sobre o solo de forma que os ísquios fiquem bem apoiados no chão (ou se preferir use uma almofada);

b) Cruze as pernas, não é necessário realizar a postura de lótus (padmasana), a não ser que esta seja uma postura muito confortável e estável para você, caso contrário, você pode realizar meia lótus (ardha padmasana), ou mesmo uma alternativa simples como sukhasana;

c) Com uma base bem firme e conectada com a terra perceba que é mais fácil manter a coluna ereta, mantenha este alinhamento sem rigidez, preservando as curvaturas naturais da coluna;

d) Eleve os braços pelas laterais enquanto inspira até que as palmas das mãos se toquem acima da cabeça, procure estender confortavelmente os cotovelos; Mantenha os bíceps ao lado das orelhas sem tencionar os ombros.

 

2. Aspectos sutis

a) Enquanto permanece estável e confortável na postura, mantenha a respiração natural, tornando-a gradualmente mais sutil e profunda;

b) Se mulabandha é uma técnica familiar para você, é aconselhável a sua realização;

c) Traga a simbologia da montanha: uma base firme em conexão com a terra, uma estrutura sólida (alinhamento da coluna) e o topo fazendo uma conexão sutil com o céu;

d) Com a atenção nas polaridades - base e topo, visualizar a ativação do centro de força raiz (muladhara chakra) trazendo estabilidade e segurança e a ativação do centro de força no topo da cabeça (sahasrara chakra) trazendo conexão e transcendência;

e) Esta postura é muito auspiciosa para se trabalhar o equilíbrio final entre as polaridades que marcam a existência humana: a integração entre a Shakti (que no corpo se manifesta principalmente através de uma energia criativa e latente localizada na base da coluna – Kundalini) e Shiva (consciência cósmica que nos remete a nossa verdadeira natureza); 

 

3. Efeitos

a) Benefícios:

- A base de pernas cruzadas auxilia na flexibilização da musculatura dos membros inferiores, bem como das articulações dos tornozelos e joelhos;

- Aprimora a abertura do quadril através da flexibilização da cintura pélvica;

- Ao manter a coluna ereta acontece o fortalecimento da musculatura que envolve a coluna, prevenindo dores nas costas;

- Trabalha, através do alinhamento da coluna, a correção postural;

- Ao elevar os braços, a flexibilidade e o fortalecimento dos ombros é aprimorada;

- Aprimora a estabilidade do corpo, da respiração e da mente;

- Trabalha o equilíbrio entre a firmeza e o relaxamento

 

b) Contraindicações:

- Esta postura apresenta um grau baixíssimo de efeitos colaterais negativos, entretanto, ela deve ser evitada em caso de lesão muscular ou osteoarticular que traga algum incomodo em sua execução;

- Lembrando que sempre é possível realizar adaptações, como por exemplo: realizar a postura sentada(o) em uma cadeira, ou mesmo utilizar algum apoio para auxiliar na elevação dos braços.

 

Como podemos ver a postura da montanha tem muito a nos ensinar, principalmente se a desempenhamos com estabilidade, conforto e PRESENÇA.

 

Boas práticas!

 

Obs: Este breve artigo não substitui a presença de um professor experiente na sistematização de sua prática pessoal.  

© 2013 by CEPY - Centro de Estudos e Práticas em Yoga - Site desenvolvido por Diego Cerqueira Rodrigues